SEJA BEM-VINDO. HOJE É »»» de de


HORAS » : :

domingo, dezembro 30, 2007

ZAMBEZE: - o gigante



Por épicas aventuras na história narrado,
De longe, agora liberto e rio a preceito
Para nobre tela de pintor apaixonado,
Chega ledo e plácido em amplo leito




De Morrumbala, por serras e vales deslizante,
Logo o Chire aflui, em enlace silencioso,
E nestas rotas mais nédio fica o gigante,
Por canhoneiras e mercadores outrora famoso



Espraiando-se, na savana dança e recria
Ihotas de mistério feitas de areia e canavial,
Onde, quiçá arrebatado pela sagacidade bravia,
Perspectiva a trama de braços do percurso final



Mas margens de Mopeia, e de Luabo em continuação,
Sustenta a cana doce, senão quando tempos de arrepio;
Então, dos limites desavindo, dos pés foge tanto chão,
Mais parecendo que o oceano aqui tomou conta do rio



Ainda na sua Zambézia, ora de frondes guarnecida,
Sedutor coleia e já filhos errantes vai abraçando;
Na magia do entardecer ensaia sorrisos de despedida
Pois no Chinde, tão perto, só deve entrar suspirando





E no ermo Timbué, ilha mor e não esbelta,
Ainda o poeta, em cada verso, ajusta a vírgula,
Eis que o indómito Índico, engolindo o delta,
O poema ronda para ponto final, frenético na gula


César Brandão - 30.11.2005

0 COMENTÁRIO(S):