SEJA BEM-VINDO. HOJE É »»» de de


HORAS » : :

quinta-feira, maio 17, 2012

AS ILHAS PRIMEIRAS - (Parte II)

(...continuação)

A ilha Coroa dista da ilha do Fogo oito quilómetros, mas a distância entre os baixos é um pouco menor, cerca de seis quilómetros. Esta ilha é de forma elíptica, com cerca de seiscentos metros de comprimento e duzentos de largura. Não possui vegetação alguma e semelha uma duna no meio do mar. João Lisboa designou-a por «cabeça sequa» e o comandante Owen por «Crown Sand». O baixo é de forma arredondada, tendo de diâmetro dois quilómetros, aproximadamente. A altura da duna é de seis a nove metros, segundo De Horsey; julgo, porém, que é um pouco mais elevada, uns doze metros. Não sei a que seja devida a falta de vegetação desta ilha. Embora não desembarcasse, por motivo da grande agitação do mar, penso que a ilha Coroa é susceptível de ser fixada e revestida de vegetação artificialmente - e, por conseguinte, defendida da acção erosiva do vento. A ilha Coroa parece não ter designação entre os indígenas. Contudo, vão lá pescadores indígenas à caça das tartarugas.

 A ilha Casuarina, ou Taníbi dos indígenas, está situada a quinze quilómetros a este da ilha Coroa; os baixos distam entre si doze quilómetros. O baixo em que assenta a ilha Casuarina é de forma muito irregular e dividido a meio por um canal. A parte maior do baixo tem quatro quilómetros de comprimento; a menor, dois quilómetros. Nas cartas antigas de navegação figura com o nome de ilha das Árvores ou dos Franceses.

 

 A ilha Casuarina é de forma triangular, medindo cerca de oitocentos metros de comprimento por quinhentos na maior largura. Densa vegetação arbórea reveste a ilha, mas a casuarina é a espécie dominante, com o porte médio de quinze metros.
Junto da praia, do lado norte, há um maciço muito denso de laurissilva, constituído quase exclusivamente de Diospyros mespiliformis, de seis a oito metros de porte. Este maciço mede aproximadamente cento e cinquenta metros de extensão. A casuarina domina principalmente na parte sul. Por tal motivo, vista do mar, esta ilha semelha um bosque compacto de casuarinas.
No extremo oeste, as casuarinas foram há pouco tempo bastante dizimadas, devido ao aproveitamento dos troncos para as obras dos faróis. Além disso, foi lançado fogo ao arvoredo nesse ponto da ilha e se não arderam mais árvores foi, sem dúvida, devido ao vento contrário, isto é do vento este, que é muito frequente ou mesmo dominante naquelas paragens. Dezenas de casuarinas foram destruídas naquela ocasião e de algumas ficou apenas o rasto de cinza no solo, correspondente ao tronco e ramos queimados.
No interior da ilha Casuarina existem algumas espécies arbustivas típicas da flora de correntes, entre as quais Cassia fístula, que estava em frutificação. Uma trepadeira muito comum da flora litoral, Cardiospermum halicacabum, é muito vulgar sobre as árvores e arbustos. A «corda da praia» (Ipomoea pes-caprae), de que não vi flores nem frutos, estende os seus longos caules pela areia, na parte de transição do casuarinal para a praia. Caesalpinia crista está escassamente representada e o mesmo sucede com Sophora tomentosa, de que só vi raros e pequenos exemplares na orla da praia do lado sul. A manta morta do casuarinal é bastante espessa, demonstrando uma idade relativamente longa do arvoredo. Enterrados na praia, despontando aqui e ali, vêem-se muitos restos de árvores derrubadas; certamente o foram por efeito de ciclones ou da acção erosiva do mar.
A vida animal da ilha Casuarina - como, de resto, a de todas as ilhas deste grupo - é muito pobre. Apenas lá encontrei duas espécies de insectos, duas de aracnídeos semelhantes às da ilha do Fogo, uma ave, semelhante ao pardal mas mais pequena, e a vulgar lagartixa. No rebocador, que ficara ao largo, apareceram muitas libélulas (Odonata), provenientes desta ilha ou, possivelmente, da Epidendron. A tartaruga vem desovar à ilha Casuarina e os indígenas aproveitam a ocasião para a caçar. A relativa proximidade do continente, doze quilómetros somente, dá origem a que a fauna da ilha Casuarina seja idêntica à da costa fronteira.

(continua...)

0 COMENTÁRIO(S):